Resenha: A Invenção de Hugo Cabret | Brian Selznick


Título: A Invenção de Hugo Cabret. 
Autor: Brian Selznick. 
Páginas: 534 páginas. 
Editora: SM Editora. 
Tradução: Marcos Bagno. 
Lançamento: 2007. 

Sinopse: Prepare-se para entrar em um mundo onde o mistério e o suspense ditam as regras. Hugo Cabret é um menino órfão que vive escondido na central de trem de Paris dos anos 1930. esgueirando-se por passagens secretas, Hugo cuida dos gigantescos relógios do lugar: escuta seus compassos, observa os enormes ponteiros e responsabiliza-se pelo funcionamento das máquinas. 
A sobrevivência de Hugo depende do anonimato: ele tenta se manter invisível porque guarda um incrível segredo, que é posto em risco quando o severo dono da loja de brinquedos da estação e sua afilhada cruzam o caminho do garoto. Um desenho enigmático, um caderno valioso, uma chave roubada e um homem mecânico estão no centro desta intrincada e imprevisível história, que, narrada por texto e imagens, mistura elementos dos quadrinhos e do cinema, oferecendo uma diferente e emocionante experiência de leitura. 

 
Hugo perdeu o pai em um incêndio, tendo que viver com seu tio, responsável pela manutenção dos relógios da estação. Hugo começou a viver com ele, aprendeu a fazer a manutenção dos relógios e lá permaneceu. Até que um dia seu tio sumiu, e a partir dai Hugo passa a viver sozinho na estação e mantém a manutenção dos relógios para que ninguém descobrisse que seu tio havia sumido, e ele ter que ir para algum abrigo.   

Hugo Cabret(ilustração do livro).
Seu pai ajudava um museu, e lá ele descobriu um automato, que estava bem enferrujado. Ele começou a consertar o automato junto com o Hugo e fazer desenhos em um caderno sobre as peças e algumas manutenções que ele deveria receber. Voltando à estação, Hugo tenta roubar algumas peças em uma loja de brinquedos na estação, mas é pego pelo dono, o Sr. Georges, que toma seu caderno. Ele diz que vai queimá-lo, Hugo fica desesperado, mas ele vai ter a ajuda de Isabelle, a sobrinha do Sr. Georges. A trama do livro vai se desenvolver em torno disto, então não falarei mais. 
  
O livro é muito lindo, e perfeito para quem está começando a tomar o hábito da leitura, pois ele não é complicado e tem inúmeras ilustrações. O livro pode ter 534 páginas, mas acho que de texto deve ter somente umas 200 páginas. O livro também é contado por meio de ilustrações, o que deixa o livro com um certo toque cinematográfico. O livro é dividido em duas partes. Uma coisa que achei muito bonita no livro é que as bordas das páginas são pretas, o que dão certa sofisticação ao livro. Eu gostei da leitura, fluiu rapidamente e não é aquela leitura sem graça, ao contrário, ela é bem animadinha. O livro faz certas homenagens a cineastas 

 Não achei nenhuma curiosidade do livro para colocar aqui. Sorry! 






Você também poderá gostar

Nenhum comentário: