Resenha: Assassin's Creed: Renascença | Oliver Bowden


Olá pessoal, como vão vocês? Em janeiro eu recebi de um sorteio de um blog que eu frequento muito, o Galáxia Geek, um box de livros do “Assassin’s Creed”, série de jogos da Ubisoft. Fiquei supercontente, pois nunca havia ganho nada em sorteios, nem mesmo uma caixa de fósforos. E então eu li o primeiro livro, que se chama “Renascença” e vou resenha-lo hoje para vocês!

O livro conta a história de Ezio, um rapaz italiano que vivia em Florença, na rica época dos Médici, uma família muito influente na Itália naquela época. Ezio fazia parte de uma também rica família, os Auditore, seu pai um grande banqueiro era muito amigo dos Médici; Ezio tinha mais 2 irmãos e 1 irmã, aos quais se dava muito bem. Ele só queria saber de brigar e se divertir.

No começo do livro já nos é apresentada uma bela cena de combate entre Ezio Auditore e Vieri de’ Pazzi, rival de Ezio. Isso aconteceu, pois, a família Pazzi soltava boatos, falsos, sobre a família Auditore, e isso meio que manchava a reputação dos negócios da família. Então Ezio e seus amigos enfrentaram Vieri e os seus capangas na frente de uma igreja. Imagina só que legal, ir para a igreja e encontrar uma briga logo em frente, super normal haha.

Seu pai costumava dar algumas tarefas a Ezio ligadas ao banco da família, pois Federico, o filho mais velho não se interessava nem um pouco com finanças e ter de ficar preso a uma sala o dia todo, as tarefas se resumiam a entregar cartas a clientes do banco, a amigos de Giovanni, pai de Ezio, e outras pessoas. Um certo dia Giovanni pede para Ezio entregar algumas cartas, e ele faz tudo o que lhe foi pedido, mas quando volta para sua casa vê nem uma luz acesa e as portas abertas, algo estava errado...


Haviam invadido a casa dos Auditore e levado os homens para uma prisão em uma torre esperando pelo julgamento na manhã seguinte. Só não foram presas a mãe e a irmã de Ezio, que foram levadas para a casa da irmã da governanta. O único que não fora preso, mas estava sendo procurado era Ezio, que se escondeu na casa de Cristina Calfucci, sua “namorada”. Mas antes de passar a noite na casa de Cristina, ele escala a torre em que o pai estava preso e consegue falar com o pai, que pede que ele entregue alguns documentos que estavam em seu escritório para um amigo que ia fazer parte do júri. Ezio entrega os documentos para o amigo do pai e vai embora.

No dia seguinte ele pensa que seu pai e seus irmãos irão ser soltos, que tudo tinha sido um engano, mas não. O dito amigo de Giovanni não era tão amigo assim e fez que nem era com ele e não interveio na situação de Giovanni e seus filhos. Acabou que o pai e os irmãos de Ezio foram enforcados e Ezio quase capturado para ter o mesmo destino.

Depois disso Ezio descobre que seu pai tinha alguma ligação com uma tal ordem de assassinos e também que estava sendo procurado por toda cidade. Ele queria ir embora e ter uma vida comum com sua mãe e irmã em outro lugar longe de Florença, mas antes disso ele recebe um treinamento de Paola, irmã da governanta de sua casa, de como se infiltrar e não ser percebido entre as pessoas, e até mesmo a furtar a mão leve pequenos pertences.


Ezio pede ajuda para Leonardo, não qualquer Leonardo, mas sim o da Vinci! Leonardo era amigo de sua mãe, que costumava encomendar quadros daquele promissor artista. Ezio vê se Leonardo saberia consertar o instrumento que seu pai havia deixado, ele nem mesmo sabia o que era, mas Leonardo o contou: era uma adaga retrátil que ficava em um bracelete no pulso e era acionada com alguma pressão em um ponto específico. Nem sabia ele que seria um grande amigo de Leonardo.

Então depois do treinamento ele vai embora com sua mãe e irmã para Monteriggioni, onde o tio, Mario Audiore, governava. Chegando lá ele descobre mais sobre a ordem dos assassinos e decide entrar na mesma. Mario fez com que Ezio ficasse e tivesse um treinamento militar com ele e com seus melhores militares. Depois disso aí a história começa a tomar um rumo e diversas reviravoltas acontecem.

Decidi parar nesse ponto para não me prolongar demais nessa resenha, pois a história é bem longa e acontecem diversas coisas que se eu falar aqui não vai ter graça quando vocês forem ler. Eu curti muito o livro, principalmente por ele trazer diversas palavras em italiano e latim. Sem dizer que se passa na Itália, isso pode não parecer grande coisa para muitos, mas o livro faz parecer que nós estamos andando pelas ruas, vendo as construções, é muito legal esse efeito que nos é proporcionado; achei bem mágico.



O livro flui muito rapidamente, parece que quanto mais lemos menos vontade de largar o livro temos. Li o livro em uma semana e achei que valeu super a pena. Para quem gosta de história eu super recomendo, pois, mesmo sendo uma ficção, nos traz diversos fatos históricos e personagens que realmente existiram. Isso me deu mais vontade ainda de ler os outros dois próximos livros. Eu nunca cheguei a jogar o jogo pra valer, mas lendo na internet vi que é super fiel ao jogo, que por ver meu primo jogando de vez em quando dá pra sentir a presença que o jogo tem. É uma ótima leitura para quem é fã da franquia de jogos.


Você também poderá gostar

2 comentários:

  1. Parabéns pelo brinde!
    gostei da história deu até vontade de ler.
    Abs!
    Gi Pereiraa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Gi, leia mesmo, é bom hahaha.
      Abraços!

      Excluir